A ciência, e consequentemente, a técnica atuarial, ainda são, infelizmente, de grande desconhecimento público.

 

A situação, sem dúvida alguma, tem melhorado ao longo destes últimos tempos.

 

Os temas relativos a previdência, seguros e outros afins, como, por exemplo, os planos de saúde, têm sido objeto constante nas mídias escrita, falada e televisionada. Embora, muitas vezes, estes assuntos sejam tratados ora superficialmente, ora com grande ênfase emocional, voltados para a ocorrência de situações particulares, a verdade é que o cerne das discussões está na solvabilidade das operações e sua exequibilidade estável ao longo do tempo.

 

Para que isto possa ser atingido, seja qual for o regime de financiamento, a estruturação técnica dos planos e seu acompanhamento tem que se respaldar na fundamentação atuarial.

 

 

Registro, baixa, regularização ou alterações contratuais?! Acesse o link abaixo: